Associação de fatores de risco entre sífilis em gestante e congênita: estudo observacional retrospectivo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.37085/jmmv3.n2.2021.pp.1-5

Palavras-chave:

Sífilis congênita, Estudo de Caso-Controle, Epidemiologia, Saúde Coletiva

Resumo

O objetivo desse estudo é associar fatores de riscos de relacionados aos caso de sífilis em gestantes a ocorrência de sífilis congênita. É um estudo observacional descritivo de base populacional de casos de sífilis em gestante e congênita registrado no período de 2007 a 2017 em um município de Pernambuco. A fonte de dado principal foi o Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan), que registrou 230 casos. Foram eleitos para analisados 167 casos em gestante com evolução para caso de sífilis congênita sendo 54,5% residentes no município. Observou-se uma incidência média de 15,1 casos por ano. A faixa etária menor de 20 anos concentrou 62,9 de casos de sífilis em gestantes; 79,64% se declaram ser de cor preta ou parda, 45,5% tinham menos de 8 anos de estudo; 39,5% realizaram mais de 7 consultas de pré-natal durante a gestação, com a detecção da sífilis materna no 3º trimestre da gravidez para 38,32%. Um baixo percentual de tratamento parceiro (12,0%). Este foi um importante achado, porém, preocupante, pois não houve diferença significativa entre as variáveis analisadas considerando que a acompanhamento, a detecção sífilis, o tratamento concomitante dos parceiros é essencial para um indicativo de um pré-natal de qualidade fragilizado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Osvaldo Leite Santos, Sanitarista - Bacharel em Saúde Coletiva/CAV/UFPE

Formado em Bacharelado em Gestão em Saúde Coletiva/CAV/UFPE, atualmente é Residente do Programa de Residência Multiprofissional Integrada da Saúde da Família/Recife/UFPE

Ruanna Sandrelly de Miranda Alves, Profissional do Programa de Treinamento em Epidemiologia Aplicada aos Serviços do Sistema Único de Saúde - EpiSUS Avançado

Possui bacharelado em enfermagem pela Faculdade de Enfermagem Nossa Senhora das Graças (FENSG)/ Universidade de Pernambuco (UPE) e Especialização em Saúde Coletiva pelo Programa de Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva da Fiocruz-PE. Atuou como Coordenadora de Saúde da Mulher do Município de Vitória de Santo Antão. Atualmente, é profissional da 16ª turma do Programa de Treinamento em Epidemiologia Aplicada aos Serviços do Sistema Único de Saúde (EpiSUS-Avançado) da Secretaria de Vigilância em Saúde, do Ministério da Saúde. Tem experiência na área de Enfermagem, atuando principalmente nos seguintes temas: saúde pública, epidemiologia, hanseníase, busca ativa e unidade prisionais.

Erlene Roberta Ribeiro dos Santos, Departamento de Saúde coletiva CAV/UFPE/Vitória de Santo Antão

Graduada em Biomedicina, Serviço Social (Uninassau/UFPE), especialista em medicina preventiva e social, mestre em Saúde Coletiva pela Fundação Oswaldo Cruz, doutora em Neuropsiquiatria e Ciências do Comportamento com área de concentração em neurociências, pela UFPE. Atualmente é Professora Adjunta da Universidade Federal de Pernambuco. É líder do Círculo de Pesquisas em tecnologias, estratégias e instrumentos aplicados à saúde coletiva Cpetsc e pesquisadora do grupo avanços em neurocirurgia - Certificados pelo CNPq. Exerceu cargos na área gestão da saúde estadual e municipal. Tutora em cursos na modalidade EAD. Exerceu cargos na gestão acadêmica como coordenadora e vice de bacharelados (serviço social, saúde coletiva e medicina) e pós-graduação lato sensu. Atua nas linhas de pesquisa: gestão, planejamento e auditoria em serviços de saúde; Avaliação de Tecnologia em Saúde (ATS); neurociências e saúde coletiva com foco nas cefaleias associadas a outras condições clínicas como ansiedade e estresse.

Antonio Flaudiano Bem Leite, Secretaria de Saúde de Vitória de Santo Antão

Mestre em Ciência (2009-2011) e Especialista (2003-2005) em Saúde Pública pelo Instituto Aggeu Magalhães/FIOCRUZ-Pernambuco/MS. Área de concentração: Epidemiologia, Políticas e Gestão em Saúde - A saúde da população: epidemiologia, vigilância e controle de doenças agudas e crônicas e de agravos à saúde.
Possui Graduação em Odontologia pela Universidade Federal de Pernambuco (1997-2002).
Atualmente é servidor efetivo (desde 2008), com cargo de Sanitarista (20h).
Foi Professor Assistente-A/Temporário (2014-2019) do Curso de Gestão em Saúde Coletiva/Centro Acadêmico da Vitória (CAV)/UFPE/Vitória de Santo Antão, exercendo a atividade de docência nas Disciplinas de: Epidemiologia I, II; Epidemiologia em Gestão da Saúde; Metodologia em Pesquisa em Saúde Coletiva; Bioestatística (Nutrição); Saúde do Trabalhador; e Saúde Coletiva e Movimentos Sociais.
Tem experiências profissionais em gestão de serviços de saúde: Gerência de Vigilância em Saúde/Saúde/Vitória de Santo Antão (2017-2020); Diretoria de Vigilância em Saúde/Secretária de Saúde/Ipojuca (2013-2014); Gerência de Epidemiologia/DGVS/Saúde/Recife, Gerência Operacional de Vigilância Epidemiologia das Doenças Transmissíveis/GEPI /DGVS/Saúde/Recife, Assessor Técnico do Programa SANAR/SES/PE (2011), Gerente de Vigilância Ambiental/Saúde/Gravatá (2011); Assessoria Técnica/Saúde/São Lourenço da Mata (2009-2010); Gerência em Unidades de Saúde nas Policlínicas Albert Sabin e Clementino Fraga/DAS/Saúde/Recife (2007-2008); Assessoria Técnica da Gerência de Vigilância Ambiental/SES/Pernambuco (2007-2008); Coordenação de Unidade de Vigilância Epidemiológica/DVS/Saúde/Ipojuca (2005-2007); e Assessoria Técnica do Programa Academia da Saúde/DAS/Saúde/Recife (2005-2006).
Tem experiências técnicas-profissionais específicas na área de Saúde Coletiva, com ênfase em Gestão, Monitoramento e Avaliação de Serviços de Saúde, atuando principalmente nos seguintes temas: Sistemas de Informação, Epidemiologia Aplicada ao Serviço, Planejamento, Gestão e Vigilância, Atenção e Integração em Saúde.

Referências

Brasil (2016). Guia de Vigilância Epidemiológica [Internet]. 7ed. Brasília: Ministério da Saúde. 813p.. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_vigilancia_epidemiologica_7ed.pdf.

Melo NGDO, Melo F, Ferreira DA, Ferreira LOC (2011). Diferenciais interurbanos de sífilis congênita no Recife, Pernambuco, Brasil (2004-2006). Epidemiol. Serv. Saúde 20(2): 213-222. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742011000200010.

Cavalcante PAM, Pereira RBL, Castro JGD (2017). Sífilis gestacional e congênita em Palmas, Tocantins, 2007-2014. Epidemiol. Serv. Saúde 26(2): 255-264. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5123/s1679-49742017000200003.

Brasil (2005). Diretrizes para o Controle da Sífilis Congênita: Manual de Bolso. 2ed. Brasília: Ministério da Saúde, 52p. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretrizes_controle_sifilis_congenita.pdf.

Campos ALA, Araújo MAL, Melo SP, Gonçalves MLC (2010). Epidemiologia da sífilis gestacional em Fortaleza, Ceará, Brasil: um agravo sem controle. Cad. Saúde Pública 26(9): 1747-1755. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2010000900008.

Saraceni V, Guimarães MHFS, Theme Filha MM, Leal MC (2005). Mortalidade perinatal por sífilis congênita: indicador da qualidade da atenção à mulher e à criança. Cad. Saúde Pública 21(4): 1244-1250. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2005000400027.

Costa CC, Freitas LV, Sousa DMN, Oliveira LL, Chagas ACMA, Lopes MVO et al (2013). Sífilis congênita no Ceará: análise epidemiológica de uma década. Rev. esc. enferm. USP 47(1): 152-159. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342013000100019.

Domingues RMSM et.al (2013). Sífilis congênita: evento sentinela da qualidade da assistência pré-natal. Rev. Saúde Pública 47(1): 147-157. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342013000100019.

Brasil (2014). Transmissão vertical do HIV e sífilis: estratégias para redução e eliminação. Brasília: Ministério da Saúde, 2014. 20p. Disponível em: https://prevencaodstaidshvtb.files.wordpress.com/2014/12/folder_transmissao_vertical_hiv_sifilis_web_pd_60085.pdf.

Brasil (2016). Boletim Epidemiológico: Sífilis, 2016. Editora Ministério da Saúde 47(35): 1-32. Disponível em: http://www.aids.gov.br/system/tdf/pub/2016/59222/2016_030_sifilis_publicao2_pdf_51905.pdf?file=1&type=node&id=59222&force=1.

Pernambuco (2016). Boletim de sífilis 5(1): 1-12. Disponível em: http://portal.saude.pe.gov.br/sites/portal.saude.pe.gov.br/files/boletim_sifilis_pe_-_2016.pdf.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2017). Cidades: Vitória de Santo Antão. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/v4/brasil/pe/vitoria-de-santo-antao/panorama.

Organização Mundial de Saúde (2008). Eliminação mundial da sífilis congénita: fundamento lógico e estratégia para ação. Genebra. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/43782/9789248595851_por.pdf?sequence=4.

Souza WN, Benito LAO (2016). Perfil epidemiológico da sífilis congênita no Brasil no período de 2008 a 2014. Universitas: Ciências da Saúde 14(2): 97-104. Disponível em: https://www.publicacoesacademicas.uniceub.br/cienciasaude/article/view/3811/3275.

Azevedo DL, Jerônimo SHNM, Teixeira GA, Lopes TRG, Cassiano AN, Carvalho JBL (2017). Perfil epidemiológico de sífilis adquirida diagnosticada y notificada en hospital universitario materno infantil. Enferm. glob. 16(46): 217-245. Disponível em: http://dx.doi.org/10.6018/eglobal.16.2.229371.

Nonato SM, Melo APS, Guimarães MDC (2015). Syphilis in pregnancy and factors associated with congenital syphilis in Belo Horizonte-MG, Brazil, 2010-2013. Epidemiol. Serv. Saúde 24 (4): 681-694. Disponível em: http://scielo.iec.gov.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-49742015000400010&lng=pt.

Sarinho SW, Filho DAM, Silva GAP, Lima MC (2001). Fatores de risco para óbitos neonatais no Recife: um estudo caso-controle. J. Pediatr 77(4): 294-298. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0021-75572001000400011.

Holanda MTCG, Barreto MA, Machado KMM, Pereira RC (2011). Perfil epidemiológico da sífilis congênita no Município do Natal, Rio Grande do Norte - 2004 a 2007. Epidemiol. Serv. Saúde 20(2): 203-212. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742011000200009.

Rodrigues, CS, Guimarães, MDC (2004). Positividade para sífilis em puérperas: ainda um desafio para o Brasil. Rev. Panam Salud. Publica 16(3): 168-175. Disponível em: https://www.scielosp.org/pdf/rpsp/2004.v16n3/168-175/pt

Downloads

Publicado

29/12/2021

Como Citar

Santos, O. L. ., Alves, R. S. de M., Santos, E. R. R. dos, & Leite, A. F. B. (2021). Associação de fatores de risco entre sífilis em gestante e congênita: estudo observacional retrospectivo. Jornal Memorial Da Medicina, 3(2), 1–5. https://doi.org/10.37085/jmmv3.n2.2021.pp.1-5

Edição

Seção

Artigos de Pesquisas Originais

Categorias