A judicialização da medicina e sua influência no aumento das taxas de cesarianas ao redor do mundo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.37085/jmmv3.n1.2021.pp.6-9

Palavras-chave:

Obstetrícia, Erro médico, Medicina defensiva, Cesárea, Litígio

Resumo

As taxas de cesariana ao redor do mundo têm crescido exponencialmente nas últimas décadas, sendo um dos procedimentos cirúrgicos mais executados. Uma das principais causas é a sua indicação como tática de medicina defensiva por parte do obstetra, buscando evitar uma ação judicial por erro médico ou negligência, assim, a cesárea se apresenta para muitos obstetras como uma opção de parto em que ambos, mãe e recém-nascido, estarão mais protegidos de possíveis complicações. A partir da análise de diferentes trabalhos publicados posteriormente foi possível constatar que as condutas médicas têm sofrido uma grande influência do aumento da judicialização da medicina. A Ginecologia e Obstetrícia é uma das especialidades mais afetadas, dessa forma, especialistas de diversos países recorrem à cesariana como uma forma de evitar um possível processo por erro médico ou negligência. É necessária uma avaliação mais aprofundada dessa situação, bem como o desenvolvimento de medidas que busquem sanar esse problema e garantir o melhor contexto de saúde possível tanto para a gestante quanto para o recém-nascido.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Camila Mendonça Lins, Universidade de Pernambuco

Universidade de Pernambuco, Recife, Pernambuco, Brasil

Felipe Rafael Pessoa de Araujo, Universidade Mauricio de Nassau

Universidade Mauricio de Nassau, Recife, Pernambuco, Brasil

Isabela Hadassa Silva Menor, Universidade Mauricio de Nassau

Universidade Mauricio de Nassau, Recife, Pernambuco, Brasil

Mariana Ferreira Martins dos Santos, Universidade Mauricio de Nassau

Universidade Mauricio de Nassau, Recife, Pernambuco, Brasil

Referências

Gullo CE, Soler ZA, Cabrera EM, Irigoyen BB and Rodrigues DA. Cesárea eletiva no Brasil: imposição da autonomia da mulher ou do poder médico? Enferm Bras 2011;10(6):362-370 Doi: https://www.doi.org/10.33233/eb.v10i6.3887

Jesus GR, Jesus NR, Peixoto-Filho F and Lobato G. Caesarean rates in Brazil: what is involved? J Obstetric Anesthesia Digest 2016;36(1):8-9 Doi: https://www.doi.org/10.1097/01.aoa.0000479479.11602.6d

Figueiredo NSV. Fatores culturais determinantes da escolha da via de parto por gestantes. J Hu Revista 2010;36(4):296-306

Summerton N. Trends in negative defensive medicine within general practice. Br J Gen Pract 2000;50(456):565-566

Ionescu CA, Dimitriu M, Poenaru E, Bănacu M, Furău GO, Navolan D and Ples L. Defensive caesarean section: A reality and a recommended health care improvement for Romanian obstetrics. J Eval Clin Pract 2019;25(1):111-116 Doi: https://www.doi.org/10.1111/jep.13025

Hamasaki T and Hagihara A. A comparison of medical litigation filed against obstetrics and gynecology, internal medicine, and surgery departments. BMC Med Ethics 2015;16(1):72 Doi: https://www.doi.org/10.1186/s12910-015-0065-1

Boyaciyan K and Camano L. Profile of denounced physicians that practice obstetrics and gynecology in the state of São Paulo. Rev Assoc Med Bras (1992) 2006;52(3):144-147 Doi: https://www.doi.org/10.1590/s0104-42302006000300013

Ramos Seugling F, Perche ME and Mendes RT. Distribuição dos processos disciplinares pelo CREMESP-Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo e seus resultados nas diversas especialidades médicas. Bioethikos 2007;1(2):56-62

Asher E, Dvir S, Seidman DS, Greenberg-Dotan S, Kedem A, Sheizaf B and Reuveni H. Defensive medicine among obstetricians and gynecologists in tertiary hospitals. PLoS One 2013;8(3):e57108 Doi: https://www.doi.org/10.1371/journal.pone.0057108

Tussing AD and Wojtowycz MA. Malpractice, defensive medicine, and obstetric behavior. Med Care 1997;35(2):172-191 Doi: https://www.doi.org/10.1097/00005650-199702000-00007

Domingues AP, Belo A, Moura P and Vieira DN. Medico-legal litigation in Obstetrics: a characterization analysis of a decade in Portugal. Rev Bras Ginecol Obstet 2015;37(5):241-246 Doi:https://www.doi.org/10.1590/so100-720320150005304

Chou MM. Litigation in obstetrics: a lesson learnt and a lesson to share. Taiwan J Obstet Gynecol 2006;45(1):1-9 Doi: https://www.doi.org/10.1016/s1028-4559(09)60183-2

Rossi AC and D'Addario V. Maternal morbidity following a trial of labor after cesarean section vs elective repeat cesarean delivery: a systematic review with metaanalysis. Am J Obstet Gynecol 2008;199(3):224-231 Doi: https://www.doi.org/10.1016/j.ajog.2008.04.025

Durrance CP and Hankins S. Medical Malpractice Liability Exposure and OB/GYN Physician Delivery Decisions. Health Serv Res 2018;53(4):2633-2650 Doi: https://www.doi.org/10.1111/1475-6773.12813

Schifrin BS and Cohen WR. The effect of malpractice claims on the use of caesarean section. Best Pract Res Clin Obstet Gynaecol 2013;27(2):269-283 Doi: https://www.doi.org/10.1016/j.bpobgyn.2012.10.004

Downloads

Publicado

14/09/2021

Como Citar

Lins, C. M., Araujo, F. R. P. de ., Menor, I. H. S. ., & Santos, M. F. M. dos . . (2021). A judicialização da medicina e sua influência no aumento das taxas de cesarianas ao redor do mundo. Jornal Memorial Da Medicina, 3(1), 6–9. https://doi.org/10.37085/jmmv3.n1.2021.pp.6-9

Edição

Seção

Revisões

Categorias